Vidro Azul ("Blue Glass")


Vidro Azul ("Blue Glass"): its broadcastings began in RUC-Radio University of Coimbra, later extending to Radio Radar, and now on Radio SBSR. In its two-hour duration, this author’s project explores melancholic sonorities also experimenting, boundarylessly, with beautiful ethereal landscapes. Through several genres ranging from folk, glitch, indietronica, neoclassical, ambient, jazz, indie pop, minimal among others, themes are blended in an intentional attempt to create a coherent harmony.


segunda-feira, setembro 17


As Horas de António Sérgio (sempre "Hora do Lobo") terminaram. Devagar mas fulminantes, os patrões eliminam - para uma razia monstruosa - os programas de autor do éter de espectro nacional. Ficam as máquinas a regurgitar mais uma infame e orelhuda playlist: nutrem-se as editoras e poupam-se salários. Como me disse um dia - infelizmente cheio de razão - o meu sábio amigo Francisco: "as pessoas só gostam daquilo que ouvem".

Será que é preciso navegarmos nesta miserabilidade, até ao fundo do fundo, para que a rádio se regenere?


4 comentários:

ana salomé disse...

:(

*

ViriatoFCastro disse...

Eu costumava ouvir "As Horas" e a "Hora do Lobo". É com profunda desilusão que também registo tamanha grosseria, tributária de um certo provincianismo que não deixa de ser "broeiro". Algo vai mal quando o Pavilhão Atlântico (porque parece não haver mais palcos num país que, lá está, muitos querem reduzir a Lisboa)se enche para ouvir uma adolescente que faz gáudio em cantar em playback e que o único atributo que lhe é aplaudido é o seu deboche coberto em camadas e camadas de celulite. A Rádio Comercial provavelmente é isso mesmo, comercial. Fica riscada da minha lista de telefonia.

RC disse...

O problema, Viriato, é que daqui a pouco a sua (a minha, a nossa) lista deixa de ter itens. Nunca o podcast foi tão poço de força neste horizonte agreste. Para quando uma rádio de autor online?

ViriatoFCastro disse...

Acho que seria um projecto em que embarcaria de bom grado, rc.